.

Um guia completo para você! – Informe 3

No informe anterior, falamos sobre a dieta renal que por conter pouca quantidade de proteína é chamada HIPOPROTEICA e o quanto ela é importante para o seu tratamento. Como forma de te ajudar na elaboração qualitativa de suas refeições, elaboramos sugestões de cardápios e receitas adequadas a sua necessidade.

Várias receitas convencionais foram “repaginadas” utilizando-se de alimentos vegetais ao invés da tradicional proteína animal. Um exemplo é o estrogonofe, que no lugar da carne utiliza-se cogumelos e/ou palmito. Consulte o passo a passo desta/e de outras receitas no Kabi Sabor -série 2, Receitas Hipoproteicas do Dia a Dia.

 

Sugestões de cardápios qualitativos

 

O quadro acima demonstra claramente como a alimentação do seu dia a dia pode ser variada e saborosa

 

 

Importante!

Se o potássio estiver alto, coma uma batata cozida corada no forno. Não vale batata palha de pacote.

 

Caldos e molhos resultantes do cozimento de carnes não contêm proteína. Sopas, por exemplo, poderão conter carne em pedaços grandes para que facilmente sejam retirados na hora do consumo por quem não pode consumir, mantendo o sabor e aroma.

 

Cartilagem e ossos é colágeno, ou seja, “proteína”!.

Não devem ser consumidos pelo paciente renal.

 

 

 

 

KET138

Compartihe

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter

Mais Artigos

Efeitos sobre a uremia

Influência da redução proteica suplementada com cetoanálogos (KA) sobre os parâmetros da progressão da DRC em pacientes com e sem DM.     Após 15